domingo, 31 de agosto de 2008

Bonsucesso


A santa se espanta
com tanta festa

com tanto barulho
em torno dela

A imagem primeira

esta, já não existe

A outra, bonita

já nasceu festeira


Muitos anos atrás
a festa era só

quermesse de gente nossa

pouco dinheiro e muita fé

De caminhão ou a pé
ia o povo pra festa
de lenço no bolso

pro suor na testa


A carpição do terreiro

era o mote de então
como pra construir casa

se fazia mutirão


Depois da lida, o padre

benzia a terra limpinha
Todo mundo guardava

da terra benta um 'cadinho


Pra saudade, febre, dores,
animal doente, plantação

Nossa Senhora da Terra
tirava tudo com a mão

Agora a terra vermelha

é que vem de caminhão

a carpição é passado

terra benta é Tradição

A quermesse, a novena,
tem muito, muito mais gente,

Tem palco, alto-falante

vendedor de cachorro-quente


A santa de vez, tem vontade
de sair pra dar uma espiada

rodar no meio do povo

fogos, catira, empolgada


Mas se contém, contrita
Coisa de santa, não é
Olha pela terra da gente
que não planta, mas tem fé

A Festa da Carpição na Igreja de N.Sra. do Bonsucesso é tradição na aldeia, há mais de duzentos anos.

6 comentários:

Débora Kikuti disse...

Tudo de lindo.. Cê devia de ter botado essa poesia pras gentes da festa...
Agradaria se eles conhecessem a outra parte da santa; a mais bonita, penso eu!!!

Mary Flower disse...

Gostei muito de ter ido até lá... ver de pertinho a igreja velha.
O altar barroco é lindo, mesmo com a santa nova que não combina muito com o cenário. Mas vi pouca devoção... é pena.

Niños Família disse...

Tem umas coisas bem legais aqui..
abraço

Mary Flower disse...

Obrigada Niños, pela visita!
Apareçam sempre!
Abraços grátis procês!

Sea Angels disse...

These are wonderful I love them.
Hugs Lynn xx

Mary Flower disse...

Thanks, Lynn!
I appreciate your visit! I hope you come more often...